1° Fórum de Economia Solidária

A economia solidária ela preconiza o trabalho como meio de emancipação do cidadão. Ela é uma alternativa inovadora que tem como princípios a auto gestão, solidariedade, cooperação e o comércio justo. A participação do Poder Público junto com empreenderes, sociedade civil e as cooperativas farão a diferença para implantação deste processo em Itaguaí.

Aramis Brito

Leia a matéria publicada no site da Prefeitura de Itaguaí:

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável realizou o 1º Fórum de Economia Solidária nesta quinta-feira (28/1), das 9h às 12h. A economia solidária trata de um conjunto de atividades econômicas como produção, distribuição, consumo, poupança e crédito baseados em solidariedade, autogestão e cooperação.

O secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Marcelo Godinho, disse que o encontro cria a oportunidade de entender a realidade dos empreendedores locais como artesãos, agricultores familiares e catadores.

– Estou muito feliz em reunir os empreendedores locais e muitos de nossos secretários municipais. Podemos ver que as secretarias estão caminhando em conjunto, se preocupando em transformar o trabalho individual em coletivo, de modo a favorecer os autogestores para que no futuro possamos colher frutos maiores – disse o secretário Desenvolvimento Econômico, Marcelo Godinho.

Para o secretário de Governo, Felipe Aranha, que representou o prefeito Weslei Pereira, em função de agenda externa, disse que a discussão sobre economia solidária é uma forma de atender os moradores da cidade que produzem e vendem seus produtos de uma forma mais organizada.

– A organização do trabalho, junto com o acompanhamento das autoridades municipais, proporciona ao empreendedor mais capacidade de desenvolver seu trabalho. Aqui, temos artesãos muito talentosos e que podem expandir sua produção. Fico feliz em ver esse debate aqui em nosso município – destacou o secretário de Governo, Felipe Aranha.

Já para a secretária de Cultura, Alessandra Reis, o município já caminha em direção à economia solidária, prova disso foi a realização da Feira Plataforma Alternativa, que deu a oportunidade aos artistas de comercializarem seus produtos na Praça Vicente Cicarino.

– Quando assumimos a subsecretaria, fizemos todo cadastro dos artesãos, demos seminários de capacitação e trabalhamos para valorizá-los. Por isso, com a criação da Secretaria de Cultura, vamos intensificar ainda mais políticas que trabalham com economia solidária. Na ilha da Madeira, existe artesãos que produzem barcos e, em Mazomba, artigos com folhas de bananeira. Essas peculiaridades precisam ganhar destaque – finalizou a Secretária de Cultura, Alessandra Reis.

Também estiveram presentes no evento o secretário de Assistência Social, Aramis Brito, o secretário interino de Meio Ambiente, Hamilton Medeiros, o Diretor de Turismo, Nelson Wenglarek, o administrador SMDES, Humberto Moreira, o Diretor de Comércio, Aguinaldo Guimarães, o Assessor da Diretoria de Portos, Alexandre Lapéter (Bal), a Diretora de Emprego e Renda

Adriana Rodrigues, o subsecretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Marcos Rogério Rocha, o secretário de Emprego, Trabalho e desenvolvimento, Júlio Cézar Teixeira, a representante da secretaria de Trabalho, Emprego e Renda de Paracambi, Márcia Marques e representantes da Marinha do Brasil e da Emater.
A superintendente do Conselho de Nilópolis, Sandra Feijó apresentou conceitos de economia solidária.

Foto: Carlos Campos/PMI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *