Carta aberta

Deputado estadual publica carta aberta para a população com suas futuras ações / Foto divulgação Alerj

Meus amigos, estou efetivamente como parlamentar há 7 dias. A primeira coisa que fiz quando cheguei foi saber a fundo a realidade da situação econômica e financeira do Estado do Rio de Janeiro. Conversei com vários parlamentares sobre isso. Com o secretário da Casa Civil, com o governador Pezão, com alguns economistas e vi que hoje o problema do Estado do Rio de Janeiro é financeiro. As razões dessa crise se reportam desde a saída da capital federal do estado do Rio para Brasília. O que fez o Rio de Janeiro ter uma sobrevida foi a descoberta dos poços de petróleo e seu alto valor de mercado. Tenho a plena consciência que vários governos trabalharam, despreocupadamente, em relação ao futuro. E aí, houve gastos descontrolados, perdularismo, corrupção, desmandos acumulados durante os anos. E depois de tantos erros, a conta chegou.

Quero deixar bem claro que não estou em defesa do PMDB e de nenhum outro partido que historicamente esteve no governo.Também quero deixar claro que tenho me dedicado diuturnamente a estudar esta questão tão complexa que afetou diretamente o funcionalismo público. E a conclusão que cheguei é que hoje o Rio de Janeiro está dependendo deste acordo com o governo federal que exige contrapartida. Aproximei-me de um grupo de parlamentares dos mais variados partidos que pensam como eu tendo a plena consciência de que, neste momento, não teremos o melhor, e sim, o menos pior. O que dentro do quadro será menos prejudicial ao funcionalismo do estado do Rio. E aí, junto com vários parlamentares do mais variados partidos, fui claro no meu posicionamento. NÃO a privatização da CEDAE e NÃO a alíquota de 22%.

Além disso, apesar dos pouquíssimos dias como parlamentar, ressalto que a minha prioridade é o pagamento da folha salarial do funcionalismo do Estado. Dentre as exigências do Governo Federal e sabedor da penúria que o Estado está, fico com o aumento de 3% da alíquota. Sempre fui explicito nas minhas decisões. Continuarei lutando e batalhando em favor do funcionalismo, da nossa região da Costa Verde e de todo Estado. O voto que dei hoje, foi um voto pragmático em uma situação extremamente complexa. Dei meu voto pautado na minha consciência, sem sequer ter conversado com a mesa diretora da casa. Tenho a consciência tranquila, não houve nenhum favorecimento, barganha ou troca. Boa noite a todos, estarei a disposição de vocês.

Deputado estadual Aramis Brito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *