Jesus, a missão e a crise

O cristianismo nasceu para ser integral. Ele jamais poderá ser departamentalizado, partido. A proposta de Jesus é para vivermos intensa e integralmente as nossas vidas. Jesus, quando esteve entre nós, viveu seus dias atuando de maneira bem diversificada. Ele orou e comeu com pecadores, ele ensinou nas sinagogas e corrigiu os vendilhões do templo. Ele curou enfermos, leprosos, deu vista aos cegos, ressuscitou mortos e pagou impostos. Ele chamou a religião institucionalizada de hipócrita e se ofereceu para ficar na casa do avarento e corrupto Zaqueu, que impactado com a conduta dele, decide devolver tudo o que havia defraudado, ouvindo com isso dos lábios de Jesus: hoje houve salvação nesta casa. Ele chama o poderoso e influente Herodes de raposa, mostrando com isso que, aquele líder político se servia mais do que servia ao povo e que se perpetuava no poder usando de artimanhas e pondo medo através da violência. Ele chora por amor a Jerusalém e é condenado pelo povo. Jesus nos revela a missão. O amor vazado numa dedicação sem reservas, sem medo das consequências que esse amor poderia causar. Ele mostra que o cristianismo é público, livre, vivido no mundo. Mostra que a obediência ao Pai sempre levará quem obedece a um fim proveitoso. Estamos vivendo um tempo fortíssimo de crise. O Brasil e o estado do Rio de Janeiro são exemplos claros sobre isso. Como cristãos, temos que aproveitar bem a crise, adentrar no mais profundo dela e viver como cidadãos responsáveis, assumindo o compromisso de cidadão cristão de servir o seu próximo. E quem é o próximo? É aquele que estiver na nossa frente. É aquele que nós vamos encontrar, e na condição que o encontrar, nós precisamos amar e colaborar com ele. A crise que nos assola é a crise que nos dá a oportunidade de praticarmos o que Jesus nos ensinou e o que a história do cristianismo tem nos deixado como legado. A luta contra o racismo, o escravismo, contra todo modelo opressor sempre teve protagonismo do cristianismo. Somos servos de todos e assim precisamos continuar sendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *